O músico precisa se reciclar?

música reciclar
Cursos Técnicos

O músico precisa se reciclar?

Nós músicos profissionais precisamos estar atentos às variações que o mercado oferece, e para tanto nos reciclar. Sempre interagindo com as situações que a demanda impõe, procurando o aprimoramento que atenda cada nova empreitada profissional.

Escolhida a área que iremos atuar, ou áreas seguindo a orientação que tivemos aqui no BLOG da necessidade do músico diversificar, precisamos procurar atualizações que o mercado continuamente oferece.

Um programa, uma especialização, um novo curso, abre uma nova rede de contatos. Interagimos com outros músicos, renovamos então o network tão fundamental para costurar parcerias.

Ainda podemos considerar a contribuição que nós oferecemos ao mercado na oxigenação dos estudos, a troca da experiência prática e teórica sempre é interessante. O mercado de traz possibilidades, a academia, uma instituição de ensino traz a reflexão, e cabe a nós como mecanismo de atuação desenvolver as questões que nos são fundamentais.

O medo da reciclagem

Infelizmente na música profissionais evitam as situações de aprendizagem ou reciclagem por temer o aproveitamento de maus orientadores de sua imagem.  Essas situações ocorrem por questões éticas e morais falhas, é verdade, e por ainda não termos a tradição de troca.

Em 2005 procurei um guitarrista que tinha sido por muitos anos músico de artistas da MPB, um cara renomado que compôs introduções de maneira improvisada de alguns clássicos da nossa música. Em aula, remunerada, esperando essas trocas de reciclagem, perguntei a ele sobre como foi o processo criativo de uma determinada introdução registrada em fonograma.

Ele sem delongas respondeu que se me ensinasse aquilo, os próximos trabalhos eu tomaria dele. Onde já se viu! Então, uma pessoa insegura, fechei a capa da guitarra e nunca mais voltei.

Não é vergonha profissional procurar aprimoramento. Vergonha é estar desatualizado com as variações do mercado de trabalho, e ter medo de compartilhar ideias.

O prazer de ensinar não é para qualquer um, de fato. Mas ao momento que nos dispomos ao ensino, precisamos estar abertos para dividir nossos pensamentos e ideias mais profundas.

Eu, nessa altura do campeonato, com mais de seiscentos textos publicados, mais de quinhentos fonogramas gravados, sei lá quantos livros, cursos estruturados e publicados, não tenho mais pensamentos privados, todas as minhas ideias são públicas.

Os métodos de ensino evoluem. As relações publicitárias evoluem. Os paradigmas artísticos evoluem. Como não evoluir em uma sociedade tão tecnológica?

A reciclagem faz parte de diversas áreas do conhecimento humano – biológicas, humanas, sociais…

Por que temer se reciclar ou dividir conhecimento, o conhecimento que você conserva individualmente pode estar fadado a morrer com você.

Procure os caminhos corretos para se reciclar, é verdade. Avalie os passos em movimentos certeiros com profissionais que primem pela ética conduzindo sua carreira de forma atualizada. E não tenha medo de recomeçar caso perceba que a curva da vida te levou para um canto inóspito.

Recomeçar

Deparamo-nos com algumas encruzilhadas ao longo de nossas carreiras. Reflexo dos caminhos que trilhamos as vezes sem orientação prévia ou informação. A variação que o mercado oferece propicia que reavaliamos alguns passos. Esse BLOG nasceu para isso.

Se nos deparamos com alguma insatisfação profissional, nada melhor que procurar o recondicionamento através de um novo programa de formação ou da orientação, que pode ser até com um músico de outras experiências, ou da experiência que interessa.

Há programas de curta e média duração que podem ser o ponto de partida ideal para uma atividade nova. Para certificar do interesse, e se comprovado encaminhar para etapas maiores de estruturação do seu conhecimento.

Dentro dessa perspectiva um fundamento central é conduzir a carreira de forma branda, sensata. Não feche portas, transponha as atividades sem cortar imediatamente as outras. Mova o protagonismo financeiro, para que não se crie uma encruzilhada.

Se prepare. E não tenha medo.

O músico precisa se reciclar?

Sim, diariamente praticamente. Ainda mais quem educa musicalmente com essa nova realidade que a pandemia nos legou.

#VemProSouzaLima

Pós Graduação
Previous articleQuanto tempo dura a faculdade de música?
Next articleVale a pena jogar tudo pro alto e ser músico?
Eu sou o Professor João Marcondes! Apaixonado por música e educação musical. Sou compositor e instrumentista com muita coisa publicada. Sou coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical da Faculdade e Conservatório Souza Lima - cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Também coordeno programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. E coordeno as unidades Moema e Alphaville desde 2010. Também atuo na instituição em tarefas administrativas, e sou diretor da editora Souza Lima. Sou autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Meus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. E também de maneira impressa. Sou educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Minhas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. Sou diretor e fundador da gravadora BAC Discos! Que lançou diversos artistas atuantes hoje na música brasileira. Conheça em www.bacdiscos.com/ Segue meu instagram; https://www.instagram.com/joaomarcondesoficial/