Uma breve história da Percussão Brasileira

Cursos Técnicos

A percussão brasileira é um monumento do mercado fonográfico. Claro: antes da existência dos processos de registro sonoro, já se desenvolvia os aspectos de sua linguagem em meio ao fazer musical brasileiro.

Eu pratico a percussão brasileira desde criança, e hoje ainda toco razoavelmente pandeiro e outros instrumentos de percussão. Aprecio e muito a execução desses instrumentos, e muito me influencia como compositor, arranjador e produtor musical.

A percussão brasileira está entre as mais ricas das Américas, pois converge a influência europeia, afro-brasileira e nativa brasileira, justamente o que me encanta.

Caxixis, chocalhos, pandeiros, raspadores, agogô, gonguê, guizos, alfaias, atabaques, berimbau, cuíca, repique de anel, repique de mão, tamtam, rebolo, timba e tamborim.

Quem conheceu a percuteria brasileira?

Ou um tocador sentado sobre uma cadeira que abraça um tamtam?

A música brasileira revela surpresas como do uso de utensílios domésticos, novos instrumentos musicais?

Prato e faca?

Frigideira?

A percussão brasileira é de uma infinitude de timbres, gestos e composição. Estou desde muito tempo praticando e até uso para ensinar alguns conceitos da educação musical, justamente um pandeiro.

Quem não se surpreende ao ver uma queixada – no uso do maxilar de um animal morto para gerar uma sonoridade específica na canção de Théo de Barros e Geralso Vandré, em “Disparada”?

A queixada hoje evindentemente é um instrumento industrializado. Mas que mantém o ideário da seca do sertão proposto na canção da decada de 1960.

A percussão que é de figuração rítmica, na camada do acompanhamento. Que é de condução. Que é de marcação. Que é de clave.

Tanto é de acompanhamento quanto de protagonismo nos alicerces do Mercado Fonográfico Brasileiro.

Infográfico

Preparamos em mais essa oportunidade do conhecimento um infográfico para vocês, fiéis leitores, estudantes e apreciadores de Música. A série “Uma breve história” procura desenvolver parâmetros estéticos para seu aprendizado. Aproveite!

Texto e pesquisa meus, João Marcondes, com design de Jean Forrer.

#VemProSouzaLima

 

João Marcondes

Pós Graduação
Previous articleQual instrumento da percussão brasileira é mais fácil de tocar?
Next articleO que são acidentes em música?
Eu sou o Professor João Marcondes! Apaixonado por música e educação musical. Sou compositor e instrumentista com muita coisa publicada. Sou coordenador pedagógico dos programas Composição Popular - Letra e Musica, do Preparatório para Vestibular de Música (extensivo, semi-intensivo e intensivo), do Curso Técnico em Processos Fonográficos - Produção Musical, e da Pós-Graduação em Educação Musical da Faculdade e Conservatório Souza Lima - cursos que ocorrem na unidade Paraíso. Também coordeno programas livres como Arranjo para pequenos agrupamentos, Arranjo para agrupamentos médios, Composição Instrumental. E coordeno as unidades Moema e Alphaville desde 2010. Também atuo na instituição em tarefas administrativas, e sou diretor da editora Souza Lima. Sou autor do BLOG Souza Lima e do BLOG Souza Lima - Magazine Luiza! Meus livros e métodos estão publicados no KINDLE - Amazon em parceria com a Editora Souza Lima. E também de maneira impressa. Sou educador Musical, compositor, arranjador e instrumentista. Mestre em Educação Arte e História da Cultura, especializado em docência em música brasileira, graduado e técnico em música. Minhas composições e obras fonográficas estão disponíveis para audição no Spotify, Deezer e iTunes Music. Sou diretor e fundador da gravadora BAC Discos! Que lançou diversos artistas atuantes hoje na música brasileira. Conheça em www.bacdiscos.com/ Segue meu instagram; https://www.instagram.com/joaomarcondesoficial/